quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

O DIA ANTES-CAMPEONATO NACIONAL DE JUNIORES 2010

Dia 20/02/2010 Sábado
Após três noites de insónias e nervos praticamente todos os dias, decidi falar com o meu psicólogo João Arruda antes de partir para Lisboa. Encontrámo-nos de manhã na Livraria Almedina, como de costume, contei-lhe das minhas insónias e o porquê do meu estado de nervos para esta prova. Expliquei que, apesar de não ser das provas mais importantes, eu queria mostrar o meu valor, queria ser o nº 1 de Portugal, queria ser campeão nacional.
Perguntou-me como é que eu achava que iria correr a prova. Eu disse-lhe: “Estou à espera que os dois primeiros combates sejam, mais ou menos fáceis, a partir daí a coisa irá complicar”


“Eu atleta, ele atleta, nós competir” nada mais importa. Disse-lhe que precisava de me abstrair da prova e questionei-lhe se ler seria uma boa solução “Sim, leva o livro do Lance Armstrong. É um livro que tu já conheces a historia, que te inspira, acho que seria boa ideia levá-lo para ler na prova” disse ele. O único problema, é que eu não tinha o livro do Lance Armstrong na minha mala de viagem e já não dava tempo para voltar a casa para o ir buscar. Fiquei chateado, mas não desesperei. Levava comigo o livro que tinha começado a ler “Os Homens que odeiam as Mulheres”. Talvez me ajudasse a abstrair na mesma.
Segui de viagem e como era hábito, pus os headphones nos ouvidos, ouvi musica, adormeci e só acordei quando tínhamos chegado a minha casa em Lisboa.
Como estava a controlar o meu peso, não podia abusar muito no comer, por isso não almocei e jantei cedo.

A minha mãe tinha planeado antes de ir dormir uma espécie de spa, com o objectivo de me relaxar o suficiente para eu dormir aquela noite.
video
Estive o dia todo praticamente calado, sem falar com ninguém, mesmo quando a minha namorada me ligou, eu não estava muito falador. Os meu pais tentavam dar-me incentivo .
“Não tenhas duvidas que com o que tu trabalhas e pelas provas que fizeste, tu tens todas as possibilidades de chegar à prova e fazer grandes combates” dizia o meu pai, repetidamente. Eles pareciam bastante nervosos, mas ao mesmo tempo confiantes de que eu iria fazer uma grande prova.
Após o banho, deitei-me na cama e comecei a ler, à espera que me viesse o sono. Certa altura chegou o meu pai e disse: “ Aconteça o que acontecer amanhã, eu amo- te muito”. Aquelas palavras ficaram-me a noite toda.




Tiago Alves dia 20 de Fevereiro 2010
(Publicado por-Horacio Alves)

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

OS MEUS DESEJOS..........




Todos nós temos sonhos… Eu não sou diferente! Existe uma serie de desejos que gostaria de cumprir na minha vida. Mesmo que demorem anos… Gostava de ter o privilégio, ou prazer se é assim que podemos chamar, de os realizar.


Lembrei-me do filme “Nunca é tarde demais” com Jack Nicholson ( não tenho a certeza se é assim que se escreve) e Morgan Freeman… São dois doentes de cancro, com cerca de 6 meses a um ano de vida, que resolvem fazer uma lista de desejos que gostavam de fazer até morrer.

Não é que seja esse o meu caso, ainda bem… Mas pus-me a pensar “e se eu fizesse também uma lista?”.
Parece idiota, visto que muitos dos meus desejos poderão nem sequer vir a realizar-se. Mas quero ter o privilégio de os ler e sonhar. Imaginar-me neles, fazer “filmes”.

Eis então a minha lista:
1. Ir aos Jogos Olímpicos e se possível medalhar
2. Ir ao Torneio de Paris e se possível medalhar
3. Ter pelo menos uma medalha no Campeonato da Europa e do Mundo
4. Ser campeão nacional de todos os escalões
5. Casar com a mulher que eu amo
6. Ter dois filhos
7. Ir nadar nas águas quentes do Hawai ou fazer surf/bodyboard e apreciar as suas lindas paisagens.
8. Estar no cimo de uma montanha alta e deixar-me levar pelo seu vento e paisagem
9. Ir à África do Sul ou Jamaica
10.Ir à Austrália
11.Ter uma garrafeira
12. Abraçar o meu Ídolo e dizer lhe o quanto ele me inspirou
13. Quero ser o orgulho da minha família
14.Gastar o meu primeiro ordenado no que me apetecer
15. Ser um Campeão, não só no judo
16. Praticar desporto até não me mexer mais
17. Acabar a prova de triatlo XTerra. Seja em que país for
18. Ter uma casa de praia
19. Fazer pára-quedismo
20. Escrever um livro
21.Morrer sem sofrimento


Tiago Alves-19 de Fevereiro de 2010 00:27 da noite
(Publicadopor-Horacio Alves)

terça-feira, 19 de outubro de 2010

QUERO IR AOS JOGOS OLÍMPICOS !

Um dia acordei e disse a mim mesmo: “ Quero ir ao Jogos Olímpicos ! Quero provar que é possível realizar o meu sonho.”
Sonho com os Jogos Olímpicos desde que o Nuno Delgado ganhou a primeira e até agora única medalha olímpica no judo em Portugal , nos Jogos de Sidney 2000 e o meu primeiro treinador António Matias (treinador da selecção nacional) me ofereceu um Pin dos Jogos de Sidney 2000

Sempre que ganho uma prova digo para mim mesmo que estou mais perto do meu sonho.
De nove campeonatos nacionais (4 por equipas e 5 individuais) ganhei dois ouros nos individuais(2006 sub15 e 2008 sub17) e um bronze em equipas, no escalão senior. Já participei no Campeonato Europeu de Clubes Seniores , sendo eu o elemento mais novo da equipa e titular no peso -66kg. Já participei no circuito europeu de sub17 e estive perto de participar no meu primeiro Campeonato da Europa sub17 em 2008, mas não consegui .



2007 e 2009 foram para mim as piores épocas da minha vida . Estava habituado a ganhar e perdi tudo, Campeonato Nacional, Circuito Europeu e a hipótese de participar no Campeonato da Europa e do Mundo de Juniores. Aprendi imenso e tornei me mais humilde. Sei agora que não poderei ganhar sempre e aprendi a lidar com a derrota, mesmo que ela nos pese muito . Aprendi a dar a volta e a erguer sempre a cabeça.
Desde a minha derrota no Nacional de Juniores em 2009 que comecei a treinar para o de 2010 , consegui medalhas na maioria das provas que entrei, fui 3º no ranking de Seniores (sendo ainda júnior de 1º ano), participei numa prova internacional em Espanha de sub23 , onde alcancei a medalha de bronze e outra de juniores onde fui medalha prata.





Estive duas semanas em Paris a estagiar no Instituto do Judo, treinando com os mais fortes de França.

Agora treino todos os dias e tenho bi-diarios às 2ª , 3ª e 6ª feiras.

A minha mente está sempre nos Jogos Olímpicos. Imagino me todos os dias, como será desfilar na cerimonia de abertura, qual será a sensação de competir nos Jogos e ganhar uma medalha.

Contei o meu sonho ao meu actual e recente treinador João Neto, ele que já foi atleta olímpico duas vezes e foi campeão da Europa e 3º nos Mundiais de Seniores. Ele disse me: “Tudo é possível! Mas eu acho que deves começar com objectivos realistas e aumentar a dificuldade ao longo do tempo. Tu és jovem e forte. Apenas tens de treinar e pensar no próximo objectivo”

Desde então que treino com um único objectivo em mente e realista:
GANHAR O NACIONAL DE JUNIORES
Depois deste, traçarei novos objectivos!
Aprendi a usar a palavra OBJECTIVO.

quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010 2:17 da manhã

(Publicado por: Horacio Alves)

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

OBJECTIVO






Sinceramente a melhor maneira que tenho para definir esta palavra é a meta a que nos propomos alcançar, onde e quando.
Toda a gente tem objectivos, uns querem um carro de sonho ou uma casa de sonho, outros querem ser promovidos no emprego.





Desde dos meus 9 anos que o meu objectivo era ir ao Jogos Olímpicos e se possível alcançar uma medalha… Tal objectivo é possível, mas eu pergunto me: e se não o conseguir? Como vou viver o resto da minha vida, com o desgosto de nunca ter realizado o meu sonho?



Eu tenho um grande defeito, sou um pouco preguiçoso, não consigo fazer nada sem que tenha alguém sempre de roda de mim a estimular-me. Mas, se por ventura houver alguém a puxar por mim, sou imbatível e vou até ao meu limite. É isso que me preocupa. Tenho receio de não conseguir fazer algo sozinho, de precisar sempre de alguém para me acompanhar, não ser independente, não ter capacidade de me estimular.



Grandes campeões, sempre que metem um objectivo à frente, trabalham tanto nos treinos como fora deles para o alcançar. Por exemplo, Michael Phelps, que nos Jogos de Pequim 2008 meteu na cabeça que iria ganhar 8 medalhas de ouro, e conseguiu… Lance Armstrong, teve cancro, meteu na cabeça que iria vencer o cancro, mesmo que as suas hipóteses fossem poucas, conseguiu! E logo a seguir ganhou o Tour de France, sete vezes consecutivas!!! Cristiano Ronaldo, que ambicionava ser o melhor do mundo do futebol e que o seu sonho era jogar no Real Madrid. Trabalhou, trabalhou até mais do que era exigido e consegui tudo que quis.



Uma vez perguntei- me a mim mesmo se um dia virei a ser um Campeão. Se alguma vez poderei realizar o meu sonho. O que me falta??



Eu sou um atleta bastante nervoso em competição, e em treino sou demasiado perfeccionista , de tal modo que chego ao ponto de chorar de raiva quando os treinos não me correm bem. E muitas vezes pensava em desistir. Mas se desistisse, não voltaria a fazer o que mais amo na minha vida que é o judo e competição, e pior de tudo, não tinha a mínima hipótese de realizar o meu sonho. Dai que sempre que desanimo, penso que o próximo dia será melhor, vou projectar mais, vou ter mais rentabilidade e vou ser mais forte.



Tive o privilégio de receber o livro de Lance Armstrong “Vontade de Vencer” e tirei muitas conclusões. Mudei completamente a minha visão enquanto atleta de alta competição.
Aprendi que não vale a pena desesperar por um mau treino, não vale a pena ter medo de cair, não vale a pena ter medo de falhar e que não vale a pena chorar sempre que algo nos corre mal, quando existem muitas coisas que nos podem abater fisicamente e psicologicamente, como um cancro, a morte de um familiar, cairmos e não voltarmos a andar.



Eu treino judo e compito porque me dá prazer faze-lo. Então se me dá prazer, o que tenho de fazer é divertir-me a fazer o que gosto, sem pensar nos outros que estão à minha volta. Sei que é difícil, mas nada no mundo é fácil, tudo tem pequenas ou grandes dificuldades. Mas como Lance Armstrong diz “temos de usar as dificuldades a nosso favor e nunca desistir”. Eu estou numa prova e estou nervoso, com medo de perder, mas o meu adversário também está na mesma posição que eu, estamos frente a frente a lutar por um objectivo e nada mais importa. Como o meu psicólogo João Arruda diz “Eu atleta, ele atleta, nós competir” nada mais importa. O que importa é que estejamos bem connosco e que nos consigamos divertir.



Acho que encontrei o que me faltava para ser um campeão, manter a minha calma e divertir- me em prova e o resultado desde Janeiro de 2010 foi um 1ºlugar num open de Juniores e um 2º no Zonal de Juniores.

Falta quatro dias para o nacional de Juniores e confesso (apesar de tudo o que disse) que estou nervoso, esta é a minha terceira insónia antes da prova.
Estou nervoso não pela prova em si, mas por ter me esforçado tanto ao longo de um ano e poder deitar tudo a perder. Bem isto soa estranho depois de tudo o que disse. Mas como afirmei, os grandes campeões sempre que têm um objectivo à frente, trabalham tanto nos treinos como fora deles. Eu não me considero um grande campeão, mas tenho um objectivo. que meti na minha mente e não o disse a ninguém, que é ganhar o Nacional de Juniores. Trabalhei o meu judo, a minha técnica, o meu físico, a minha resistência. Tudo pelo ouro no nacional.
Depois deste objectivo viram mais.
Eu só desejo divertir me e gozar a fazer aquilo que me dá gozo. Se não ganhar o ouro, só tenho de aceitar e traçar novos objectivos.


18 de Fevereiro de 2010 1:23 da manhã

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Palavra para difinir o CANCRO


Caminho para a luta
Agarrar a vida
Nunca desistir nem baixar os braços
Combater com unhas e dentes
Resistir à dor e ao sofrimento
Olhos sempre postos na confiança

Este é o meu Ippon fo Life

domingo, 11 de julho de 2010

De volta à realidade !


Olá Pessoal.

Ainda me sinto um pouco "abananado" da operação. Mas mesmo assim, sinto uma enorme necessidade de vos falar.
Infelizmente a operação não correu como esperado, não me tiraram o animal de dentro de mim =/ quando fui para a operação, estava com enorme entusiasmo. Mas quando acordei e o medico me disse que não tinha conseguido remover o cancro, fiquei tão, mas tão desfeito que pensei no pior.

Tou agora a recuperar da cirurgia e os dias não têm sido nada fáceis com as dores, a revolta de não me terem tirado o cancro, os drenes a cicatriz e a "moca" da anestesia.

Falei mais tarde com o Dr. Nuno Abecacis (foto), que foi ele que me operou, e ele mostrou-se bastante triste com a minha situação, uma coisa que poderia ficar controlada, não, tem que se ir por outro processo.

Ele explicou me que à volta do estômago e o peritoneu (que é uma membrana que envolve a zona do abdómen) estavam todos apanhados com o cancro e que para me tirarem, tinham de remover o intestino delgado, à qual assim não conseguiria viver.
Então o que se vai fazer é depois das recuperação da cirurgia, vou fazer entre 4 a 5 sessões de quimioterapia e logo a seguir se o cancro diminuir de dimensão, voltam outra vez à cirurgia para me remover o estômago. E a seguir mais 2 ou 3 sessões de quimioterapia.

Enfim, podia ser tudo mais fácil, mas continuo com a mesma força apesar de agora estar mais debilitado :S

Dr. Nuno Abecassis para quem não sabe é um dos, senão o melhor cirurgião de oncologia do país e eu sinto muita confiança nele por isso é que me deixa mais tranquilo :)

terça-feira, 6 de julho de 2010

O dia da grande Luta



Dia 7 de Julho de 2010 vai ser o dia mais importante da fase do meu tratamento.
Vai ser o dia que o médico cirurgião irá remover o bicho que está dentro de mim...
Este é sem dúvida o adversário mais duro e difícil que tive e sem duvida que ele me está a dar muita luta. Mas uma coisa eu tenho a certeza, amanhã (dia 7 de Julho) às 8 horas da manhã eu vou eliminar este filho da mãe que vai-se arrepender de ter "possuído" o meu corpo.

Depois da cirurgia vou ficar 7 dias nos cuidados intensivos a dormir num sono profundo, mas ao mesmo tempo a recuperar e a ganhar forças para a próxima batalha que também não vai ser fácil, mas que de certeza vou conseguir ganhar.
Logo a seguir irei passar mais duas ou três semanas na enfermaria até estar em condições de estar em casa.

Como devem calcular, estou bastante nervoso e com algum medo... mas acredito que neste momento o cancro deve estar com mais medo =D
É por isso que não escondo o meu sorriso :)

Quando estiver recuperado e em condições, irei de certeza voltar ao Ippon for Life para vos dar noticias desta minha viagem. Este vai ser o Ippon da minha vida =D

Obrigado por todo o apoio.
Um grande Abraço e um grande Beijinho desde vosso amigo TIAGO ALVES

VOU LUTAR !!!!


Estou neste momento no IPO de Lisboa, pronto para a minha batalha. Sei que vou sofrer, sei que não vai ser fácil, mas já me mentalizei.
O médico que me está a acompanhar é um dos melhores do país e todos os que o conhecem dizem que estou em boas mãos e isso transmite-me muita confiança.
Na primeira consulta que tive com o médico, ele contou-me como vai ser todo o processo:
  1. Cirurgia com aplicação de quimioterapia local a 42ºC, durante uma hora
  2. Na mesma cirurgia, vão me remover o estômago todo, o baço e um bocado do intestino
  3. Vou estar 3 a 4 semanas a recuperar da cirurgia
  4. Após a recuperação, vou estar durante um ano a fazer tratamentos de quimioterapia
  5. Após tudo isto, CURA TOTAL
Assustou-me um bocado a ideia de ficar sem estômago, por isso tive duas perguntas a fazer ao médico:
  • Poderei voltar a praticar desporto, ou seja, judo?
  • Poderei comer de tudo, ou vou ter uma alimentação especial?
Ouvi as melhores respostas :) ele disse-me que poderei fazer tudo o que fazia dantes e comer tudo o que comia dantes, apenas tenho de comer menos mas mais vezes, pelo menos numa fase inicial até habituar o intestino, visto que vou ficar sem estômago, vou ficar sem uma bolsa que suporta os alimentos, então os intestinos têm de criar uma nova bolsa (claro que não vai ser tão grande)

Estou bastante confiante para a cirurgia, com medo e algum receio, MAS CONFIANTE :)

Como lidei com o cancro

Dia 21 de Junho foi sem duvida o pior dia da minha vida.
Não consegui aceitar e neguei sempre dizia que não era possível ter cancro.
A primeira pergunta que fiz à médica era se poderei voltar a fazer desporto e infelizmente ela deu-me a resposta errada "provavelmente não, mas só os médicos do IPO de Lisboa é que poderam dar-te essas respostas". Quando saí daquele consultório, detestei, passei o dia todo a chorar e vi as pessoas que mais amo a chorar o que me destroçou mais. Pela primeira vez vi o meu pai chorar, ele que é das pessoas fortes que conheço, não resistiu à noticia. A minha mãe que chora todos os dias. O meu irmão Rui que que sempre foi uma aspiração para mim, também não resistiu, mas acredita e sempre acreditou na cura. Não soube contar aos meus amigos, custou-me bastante contar à minha namorada, o que podia ela pensar ou será que ia aguentar.
Mas todos estiveram comigo, família, namorada e amigos, mas no inicio não foi nada fácil. As pessoas não sabiam o que dizer e eu não conseguia olhar para elas.
Andei e ando muito tempo com a cabeça para baixo, as noites amaldiçoavam-me com pesadelos, os dias amaldiçoavam-me com pensamentos. Nada me alegrava, nada conseguia fazer-me sorrir. Não havia nada em mim. A minha pessoa tinha mudado.
Não houve dor mais forte que esta que eu estou a viver, mas há esperança!

Como tudo começou ?


A vida às vezes é um mistério, existem passagens nela que nem nós nem ninguém consegue explicar e muitas vezes acabamos por sofrer com isso.

Muitas vezes perguntamos porquê que o mal só acontece a nós e não aos outros, porquê que eu, que tento ser a melhor pessoa possível e tento ter uma vida o máximo saudável possível, tenho de levar com todo o mal enquanto que existe outras pessoas que se estragam com drogas e andam para aí a matar ou a roubar e nada lhes acontece. Não estou a dizer que desejo o mal a essas pessoas, mas sou humano e acho que tenho o direito de pensar desta forma. Além de que não devo ser o único.

O dia 21 de Junho de 2010 foi para mim o pior dia da minha vida. Foi o dia em que me tiraram a minha pessoa. A sério, neste momento eu sou uma pessoa totalmente diferente.

Tudo começou mais ou menos em Janeiro de 2010 quando comecei a sentir umas dores estranhas na barriga a qual não valorizei muito. Treinava muito e estava numa fase onde tinha muitas competições e ainda havia a escola, os testes e trabalhos para entregar, pensei que fosse tudo uma questão de stress. Não valorizei. Mas o que é certo, é que à medida que o tempo passava as dores iam ficando mais fortes e agora com outro sintoma, sempre que acabava de comer, tinha de ir defecar.

Continuei a treinar no duro e a competir, não valorizei nenhum dos sintomas, até que em Março, quando fui com os meus colegas de equipa e treinador João Neto a Lisboa para um estágio as coisas agravaram um pouco mais. Continuava com cólicas sempre que comia e sempre com vontade de ir defecar. Fui às urgências, um pouco contrariado por não queria ir ao hospital, e lá o médico disse que poderia ser uma gastroenterite. “Pronto não é nada de grave” pensei eu mas na mesma noite passei-a toda com dores horríveis e a vomitar um liquido amarelado e azedo. Sentia me muito mal, quase não conseguia estar em pé de tantas dores. Fui novamente às urgências e desta vez disseram me que poderia ser uma questão nervosa. Eu de facto andava nervoso pois estava perto que uma competição muito importante, que era a Taça da Europa em Portugal, em que eu tinha o objectivo de alcançar uma medalha.

Acabei por melhorar um pouco, competi na Taça da Europa, mas a prova não correu nada bem, estava lento, muito mole e sonolento. Perdi o primeiro combate e lembro-me que logo a seguir fui me isolar e acabei por adormecer num banco.

Com esta derrota, comecei a entrar em stress pois queria ter os mínimos para o Campeonato da Europa e do Mundo, então disse aos meus treinador João Neto e João Abreu (Jocá) que queria muito ir à Taça da Europa na Estónia para ver se conseguia algo.

Acabei por ir para a Estónia, apesar de continuar a sentir-me mal. Fui com o treinador João Neto e com os meus colegas de equipa: Luís Mendes, Gustavo Andrade, Eduardo Silva e Antoine Massart.

Consegui alcançar o grande objectivo para essa prova, alcancei a medalha de bronze e já tinha mínimos para tudo, mas no final da prova senti-me com febre, dores nos rins (que eu pensava que tinha sido uma pancada nas costelas) e claro grandes dores na barriga. Devido às cinzas vulcânicas do vulcão da Islândia, não houve voos durante uma semana, por isso ficamos retidos na estónia durante uma longa semana. Enviei uma mensagem para a minha mãe a informar que não me sentia muito bem, para marcar com máxima urgência uma consulta para um médico de gastrologia.

Quando cheguei a Portugal e antes da consulta, participei no Campeonato Nacional de Equipas Seniores. Não me sentia nada bem, não conseguia comer e estava muito leve. Acabei por perder todos meus combates e senti-me mal, quase desmaiei no meu primeiro combate.

Finalmente tive a consulta de gastrologia, o médico mandou-me fazer uma serie de exames e ao fim de quase um mês de pesquisa, achou por bem mandar-me internar no Hospital Universitário de Coimbra. Lá fui fazer mais uma série de exames, sendo um deles uma colonoscopia e uma endoscopia para fazer umas biopsias ao estômago e aos intestinos, que não correu nada bem, os médicos injectaram demasiado ar para dentro no meu intestino e não conseguiram remove-lo, quando acordei da anestesia, tive dores de morrer, a sério, parecia que a minha barriga ia explodir. Tive de ser operado de urgência e os médicos aproveitaram para fazer todas as biopsias.

Após quinze dias de internamento e de recuperação da cirurgia finalmente descobriram o meu problema e no dia 21 de Junho disseram-me que eu tinha cancro no estômago com metástase num bocado do intestino. Fiquei chocado e não aceitei muito bem, mas só havia agora uma coisa a fazer, CURAR.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Quem Sou Eu ?





Olá Pessoal

Chamo-me Tiago Alves, nasci no Hospital Santa Maria no dia 14 de Janeiro de 1992.
Nasci com uma fenda no palato e quando completei 3 meses de vida, fiz a minha primeira cirurgia para fechar a fenda. Ao longo da minha vida tenho estado sempre em hospitais e dentistas para corrigir a minha boca e ao todo, desde que nasci até completar 16 anos, fiz 7 cirurgias de correcção. Muitas não ?


Sempre tive uma vida saudável e feliz. Sim eu sempre fui feliz, tenho uns pais que me amam bastante e fazem de tudo para que eu esteja bem, tenho um irmão que me apoia em tudo e que sempre foi uma referência para mim, sempre o quis imitar, desde a maneira de ser à maneira de vestir. Confesso que sou um menino mimado :) mas gosto de mim assim.
Fui sempre um rapaz tímido, sobretudo com raparigas e em fazer amizades. Na escola, muitas das vezes brincava sozinho e em casa fechava-me no quarto e fazia as minha "batalhas" (como a minha mãe dizia) com os meus bonecos. Era muito malandro para estudar, não gostava nada e isso sempre foi uma dor de cabeça para os meus pais, pelo menos até ao 12º ano. Mas atenção, nunca repeti um ano e tinha sempre notas positivas, só a matemática é que dava cabo de mim, detestava números. Mas consegui ultrapassar :)
Tenho uma enorme fobia... AGULHAS!!! Odeio agulhas, odeio ser picado. Fazer analises para mim é um grande sacrifício. Nem tocar nelas eu consigo, faz-me impressão aquele objecto metálico fino e pontiagudo. Enfim, à pessoas que têm medo de ratos, baratas, de andar de avião... Eu tenho medo de agulhas e nunca consegui arranjar uma estratégia para ultrapassar esse medo.
Sou uma pessoa que come tudo o que puserem no prato, sou bastante guloso e não tenho medo de experimentar novos sabores. Quando viajo, quer em Portugal ou no estrangeiro, tenho que obrigatoriamente provar a gastronomia típica, se não gostar meto para o lado, mas não posso ir embora de uma terra sem conhecer os seus sabores. Uma das coisas que eu mais aprecio são os doces, sou louco por doces... Mas não é rebuçados, nem gomas, nem nada do género... São aqueles doces que a avó, a tia ou a mãe nos fazem, ou então aqueles bolos divinais de uma pastelaria boa. Os bolos que eu mais gosto são as Bolas com Creme, Pão de Ló (daqueles cremosos) e tortas com doce de ovos. Podem imaginar =P
Outra coisa que eu adoro e sou viciado é no chocolate, sou capaz de comer uma tablete inteira em menos de nada.


Uma das minhas grandes paixões é o Judo. Pratico Judo de alta competição, mas fora esta modalidade, sou fã de tudo o que seja desporto. Basicamente sou viciado em desporto e em competição, mas competição a sério.
Adoro sentir a adrenalina antes de qualquer combate, adoro estar sobre um stress intenso durante toda a prova e no final ser recompensado com uma medalha. O Judo sempre fez parte da minha vida, pratico desde os meus 4 anos e aconselho a qualquer pessoa, a prática desta modalidade, pode parecer violenta mas não é, acreditem, depois de um treino de Judo senti-mo-nos super leves e descontraídos, onde parece que nada nem ninguém nos poderá chatear. O Judo tem uma filosofia que faz de nós melhores pessoas. Mas no que toca a competição, é normal haver rivalidades, maus olhares e um certo desejo interior de partir a cabeça ao adversário (não levem esta parte a sério). O objectivo do Judo é fazer com que consiga-mos derrubar o adversário e que este caia com as costas no tapete, utilizando técnicas de desequilíbrio especificas no Judo, quem conseguir ganha o combate. Existem três tipos de pontuação:
  • Ippon- que é a vantagem máxima no Judo, quem conseguir alcançar esta pontuação, ganha de imediato o combate. Para o conseguir o adversário tem de cair com 85 a 100% das costas todas no chão, com submissão de um estrangulamento ou chave ao braço ou então aguentar 25 segundos a imobilizar o adversário.
  • Wazari- é a segunda maior vantagem no Judo, dois wazaris equivalem a um ippon, para conseguir o adversário tem que cair com 70 a 85 % das costas no chão ou aguentá-lo 20 segundos em imobilização.
  • Yuko- Vantagem mínima no Judo, para conseguir o adversário tem de cair de lado ou aguentá-lo 15 segundos em imobilização
Comecei a praticar Judo num Colégio (D.Afonso V) em Lisboa por escolha dos meus pais, o meu primeiro professor chamava-se António Matias, treinador da selecção Nacional de Seniores femininos, criou grandes campeãs como a Telma Monteiro, Ana Cachola, Joana Ramos entre outras. Ele sempre acreditou em mim e no meu "talentinho" para o Judo, quando me mudei para Coimbra, pediu aos meus pais para que eu nunca abandonasse o Judo. E eu nunca abandonei!

Desde que o Nuno Delgado medalhou nos Jogos Olímpicos de Sidney, a primeira e até agora a única no Judo Nacional e o meu professor Matias me ofereceu o pin desses mesmos Jogos, eu sempre tive o sonho de um dia estar presente nos Jogos Olímpicos e quem sabe medalhar. Imagino-me um dia a desfilar na Cerimónia de Abertura, a combater num palco cheio de boa energia, viver um espírito Olímpico. Desde então que sempre que treinava e competia, tinha em mente esse meu sonho. Quando contei ao professor Matias este meu objectivo de vida, ele mostrou-se bastante satisfeito e disse me que queria acompanhar-me até lá e achava que eu ia conseguir. Infelizmente em 2007 o professor faleceu, com morte súbita após ter dado um treino à selecção. Fiquei bastante triste, porque para além de ter perdido um grande amigo, não vou ter a oportunidade de ser acompanhado por ele. Mas isso só me deu mais forças para continuar a sonhar e a lutar pelos meus objectivos.

Uma das grandes mudanças na minha vida desportiva, foi a mudança para Coimbra e integrar-me na equipa da Associação Académica de Coimbra. Evolui bastante no Judo, a nível técnico, táctico, mas sobretudo a nível de companheirismo e como pessoa. Passei grandes momentos com a AAC e continuo a vive-los dia após dia. Tenho grandes treinadores, grandes amigos, ou seja, uma Grande Família e costumo dizer que o meus verdadeiros amigos, são os do Judo sobretudo os da AAC